• Increase font size
  • Default font size
  • Decrease font size




 
 

NOTA DE ESCLARECIMENTOS

Prezado público;

Infelizmente a nossa agremiação "Domésticas de Luxo", bloco tradicional e caricato de Juiz de Fora, desde 1958, foi alvo de críticas sem fundamentos e descabidas, noticiadas nas redes sociais e nos principais jornais e revistas que somos "racistas e preconceituosos". Essas inverdades circularam em várias regiões do Brasil e aqueles que não conhecem a verdadeira essência do bloco, foram pegos de surpresa e passaram  a acreditar nessa calúnia e difamação. Sendo divulgado indevidamente que o bloco "Domésticas de Luxo" é formado por homens brancos e ricos, além de outras atribuições falsas e impróprias! Sendo assim, segue o nosso repúdio a essas mentiras, alegações falsas e graves!

É importante saber que nosso bloco foi fundado em 1958, onde não existia qualquer tipo de preconceito, dessa natureza, com essa intensidade, e que o bloco é formado por qualquer pessoa (homens), independente da sua condição social, cor, religião ou qualquer motivo que o impeça de fazer parte do bloco. Ainda, ressaltamos que temos em nossa diretoria, nossa agremiação (componentes) integrantes e admiradores de origem afrodescendentes e outras, além de sermos uma associação a qual esposas, amigos, públicos, ritmistas não são discriminados ou impedidos de participarem de nossos eventos, nossa associação ou nossos desfiles.

Por outro lado, nosso bloco, ainda realiza ações sociais das mais importantes como:  De incentivar a doação de sangue, junto ao Hemocentro de Juiz de Fora, participa de visitas a entidades carentes, colaborou com as vítimas atingidas pelas chuvas na região serrana do Rio de Janeiro, em 2010/2011, participou dos eventos da Fundação Ricardo Moyséis Jr (Entidade em prol das crianças em tratamento contra o câncer), doação e visita a ASCOMCER (Entidade de tratamento a pacientes com câncer); anima as festas de carnaval de escolas públicas, participam da Campanha do Papai Noel dos Correios e participou de um projeto de resocialização de presos, na Penitenciária Professor Ariosvaldo de Campos Pires de Juiz de Fora, com palestras motivacionais e de superação aos detentos. Por esse viés, aqueles que não conhecem nossa agremiação podem ter uma ideia do quanto não temos preconceitos e que não somos articuladores de qualquer tipo de discriminação ou depreciação a qualquer segmento da sociedade, em especial dos trabalhadores domésticos. Em 2014 o enredo fez uma homenagem aos trabalhadores domésticos, conforme a importância do Projeto de Emenda Constitucional (PEC das Domésticas), devido ao reconhecimento do poder público federal a essa preciosa classe de trabalhadores. Ao mesmo tempo, fomos notícias em uma das páginas do Sindicato dos Trabalhadores Domésticos de Jundiaí, como uma entidade carnavalesca de Juiz de Fora a qual fez um samba em homenagem a essa categoria de forma respeitosa e divertida.

Em 2010 o bloco foi reconhecido pelo Poder Público Municipal de Juiz de Fora, como Entidade de Utilidade Pública, agraciado em 2014 pela Câmara Municipal, pela sua importância histórica, carnavalesca e social ao longo dos anos, assim como homegeados por outras entidades da região. Em 2015, sensibilizados com a reduzida demanda de voluntárias doadoras de leite humano, mobilizaram e divulgaram a importância de estimular a doação de leite junto ao Banco de Leite de Juiz de Fora.

Para finalizar, nosso bloco é formado por diversas classes sociais e jamais, somente, de homens ricos e brancos!!!!!!

Confiram o comentário do Jornal Tribuna de Minas, da coluna social do César Romero.

Coluna CR – 14-02-2015

14 de fevereiro de 2015 às 08:00 - Por Cesar Romero

DOMÉSTICAS EM FOCO

Ao comentar o Antenado de quinta-feira, o jornalista Geraldo Muanis considera que, “além de exagerada, é uma tremenda bobagem e perda de tempo esta discussão acerca do desfile das Domésticas de Luxo. Eu, que não sou afeito a carnaval, sempre admirei o bloco, desde a minha infância em São Mateus, onde ia aos ensaios na quadra do antigo Ginásio Bicalho”.

Na visão de Muanis, “estão confundindo alhos com bugalhos e não existe nada de discriminatório ou racista, mas apenas criatividade, alegria e irreverência. Desde 1958! Quando sequer se pensava em coisas como ‘politicamente correto ou incorreto’. Um despropósito”.

 

Sem mais no momento;

Atenciosamente;

Diretoria - Domésticas de Luxo

 

 


JPAGE_CURRENT_OF_TOTAL